Como transformar a dor em força?

O que nos faz transformar a dor? O que nos faz ser uma fênix?

Transformação não é esquecer, não é deixar para lá, não é fingir que não aconteceu, é realmente transmutar.  Por que a fênix é uma representação tão bonita e usual quando falamos de transformação? Porque a fênix significa vermelho escuro, pássaro que renasce das cinzas, pois na mitologia grega, era o nome dado ao pássaro que morria consumido pelo fogo e renascia das próprias cinzas.

Todos nós temos em nosso interior uma porção fênix, que funciona mais rápido ou mais devagar. A fênix é aquela que quando chega naquele momento da vida dela que já viveu tudo e não tem mais o que que viver, ela se renova internamente. O fogo, por sua vez, é o momento em que nos transmutamos. Usar ou não usar essa porção fênix, depende única e exclusivamente de nós. Entretanto, para que possamos ser uma fênix, precisamos entender em primeiro lugar que conforme nós vamos vivendo, algumas coisas na nossa vida vão morrer e elas precisam morrer dentro de nós. Essas mortes não são literais, mas mortes do ego, mortes de partes de nós que, embora tenham sido muito importantes, já não fazem mais sentido. É isso que vai nos transformando e nos dando a capacidade de a cada época da nossa vida reagirmos com amor, intensidade e leveza.

Todos sofrem, sem exceção. A diferença é como se reage a esse sofrimento. Quem nunca perdeu um amor, um ente querido, um sonho ou sofreu uma grande decepção? O que muda, é quanto tempo iremos demorar para nos levantar, podem ser séculos ou segundos. E a partir daí que vem nossa capacidade fênix, a capacidade de pegar a dor e, literalmente, aprendermos com ela. Este é o processo de mudança, é quando, finalmente, conseguimos entender o que aquela dor nos trouxe de positivo, o que nos trouxe de negativo, o que nos ajudou a ganhar e o que nos fez perder. 

Cada a vez que eu passo por uma dor repetitiva que não curei individualmente, não cicatrizei, essa dor cresce. Isso ocorre pois já tenho machucados e estou me ferindo por cima das feridas, assim, minha dor e sofrimento emocional sempre serão maiores se eu não aprender a curar essas dores. Quanto mais se estuda, se aprimora, existe a percepção de que a transformação vem com o aprendizado, enquanto não se aprende, ocorre o aprisionamento em determinadas situações. É essencial, entender quais são os padrões que repito, para não cair nas mesmas dores e problemas de sempre. Não precisa mudar toda sua vida da noite para o dia, mas como a fênix vive tudo e depois se renova, será que não é possível começar com pequenos passos no dia a dia? Será que não é possível resolver as situações momento a momento, deixar o passado no passado? Essas são coisas que só são possíveis quando aprendemos.

Se uma pessoa que considero o amor da minha vida, perfeita para mim, termina comigo e eu não aceito, fico aprisionada pela dor dessa situação, não consigo aprender e me transmutar, fico estagnada. Enquanto a outra pessoa segue sua vida, eu permaneço em sofrimento, sem tirar nenhuma experiência dessa dor, isso pode se estender por 1 semana, 1 mês ou anos. Então a questão é: você consegue ter a coragem de deixar o passado no passado? Você tem a coragem de olhar para aquela dor e perguntar para você: o que eu aprendi aqui? qual foi o aprendizado que vai me ajudar a fazer diferente da próxima vez? qual foi o aprendizado que vai me ajudar a me libertar dessa dor e estar mais inteira ainda para qualquer relação da minha vida e em qualquer área? Porque isso exige muita coragem.

Transforme sua dor em força para que você continue caminhando, para você ser capaz de colocar mais energia nas suas próximas relações. Existe o aprisionamento interno e o externo, o interno é muito pior que o externo, pois é mais difícil de sair e causa extrema dor.  Quando se está aprisionado internamente se fica incapaz de seguir em frente, se concentrando apenas na dor sentida e um dia quando se conseguir a libertação, a pessoa olha para o passado e percebe que perdeu grande parte da sua vida.

Tem gente que perde tudo e rapidamente se reergue e reconstrói tudo, enquanto outras pessoas, perdem pouco e ficam empacadas naquilo e não conseguem se recuperar. A diferença é a consciência de cada um, o peso e tempo individual, o aprendizado tirado, a capacidade de tirar força da dor e fazer diferente. Por isso, é impossível se comparar com os outros, porque as pessoas são muito diferentes. É importante trabalhar a flexibilidade, de olhar para as situações e não se perder na dor, isso não significa que as dificuldades vão parar de doer, apenas não deixar isso nos dominar e prender. Você pode se transformar com as dores, a cada dor ou acumular muitas dores e fazer uma grande transformação. Essa transformação ocorre verdadeiramente quando olhamos uma situação e percebemos que é só uma situação; ela não trás dor, raiva, melancolia, nesse momento que estamos fortalecidos e livres.

Como trabalhar as dores do passado:

  1. Identificar as pessoas os momentos que nos incomodam na nossa história –que provocam sentimentos fortes e negativos, tristeza, raiva e/ou nos empurram para um processo de introspecção
  2. Compartilhar com alguém possa me acolher, com segurança – o compartilhamento tira essa dor da escuridão, quebra o segredo e tabu que montamos em cima dele;
  3. Entender como posso curar, tem três opções:
    • Acolhendo com amor – tem situações nas quais não é possível;
    • Perdoando – não precisa ser sobre oferecer a outra face, mas sobre entender que dentro daquela situação aquilo era o melhor que a pessoa tinha para oferecer;
    • Agradecendo por tudo que aquilo gerou na sua vida de bom, os aprendizados, ser quem eu sou hoje;
  4. Procurando ajuda – às vezes, precisamos de um psicólogo para nos ajudar a olhar para a dor, compreender suas repetições e aprendizados.

Esse processo não é fácil e pode ser necessária a ajuda de um psicólogo, mas depende de você e da sua vontade. A responsabilidade está nas mãos de cada um. Você pode levar o cavalo até o rio, mas não pode obrigá-lo a tomar água, ou seja, não adianta ler esse texto, fazer terapia, ser aconselhado por amigos, no final apenas você é responsável por transformar a sua vida e ser fênix.

Você está aprisionado em alguma dor? Está preso no passado ou no futuro e esquecendo-se do presente? Já decidiu abraçar sua fênix interior e transformar sua dor em força?

Abraços,
Regina Silva

Para saber mais sobre esse assunto, assista a reprise da "Live" realizada em 24/04/2021.

Daniela

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Este site é protegido por Google reCAPTCHA. Política de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam.